Sabores-dulces-en-temas-amargos

Os colegas estavam agrupados ao redor de uma mesa comendo o que pareciam ser…bombons? Todos estendiam a mão para retirar o que mais lhe atraía. Todos em silêncio, escutando Bea.

Bea explicava satisfeita porque tinha essa caixa de bombons

Ela faz parte do Centro de Apoio ao Cliente, Departamento encarregue de, periodicamente revisar os contratos de seguros dos clientes do corretor. Há uns meses um cliente em nome da sua mulher que se encontra doente, questionou quando terminava a cobertura da sua apólice de Seguro de Acidentes Pessoais.

A mulher tinha 73 anos. Este caso surpreendeu Bea já que habitualmente as apólices em causa caducavam aos 70 anos. Por lapso, a seguradora não tinha anulado a cobertura desta pessoa segura. Tinham a sua data de nascimento mal registada em sistema e assim mantinham em vigor a cobertura que já deveria estar extinta.

A segurada tinha estado a pagar 3 anos a mais

Ao comunicar esta situação à seguradora, esta informou o cliente que iria anular a apólice. O senhor agradeceu-lhes a atenção e fim de história.

Mas Bea não ficou satisfeita…

Decidiu analisar o tema com ajuda de outros colegas. Imaginemos que tinha ocorrido um sinistro com esta segurada! A apólice dava cobertura?

Embora tivesse pago os 3 anos em excesso, o contrato de seguro refere explicitamente que a cobertura termina aos 70 anos. Assim, provavelmente a seguradora não iria pagar indemnização. “Ah! Já tem 73 anos” alegariam.

O justo seria solicitar à seguradora a devolução dos prémios pagos em excesso

Mas a seguradora poderia igualmente não estar aberta a este pedido. Asseguravam que se tivesse ocorrido sinistro, teriam assumido a indemnização.

Bea não partilhava da mesma opinião, continuou analisando o processo de adesão e descobriu que a howden tinha preenchido corretamente na proposta os dados pessoais da senhora. Tendo sido a seguradora que introduziu mal a data de nascimento no seu sistema.

Finalmente, admitido o erro administrativo, a seguradora acedeu a devolver ao cliente o valor dos prémios pagos em excesso.

Não fazia ideia que tinham estado a preocupar-se em recuperar o seu dinheiro

O segurado desconhecia que Bea tinha persistido na sua ideia inicial e tinha apresentado à seguradora argumentos válidos do lapso ocorrido. Imagine-se a surpresa quando informou o cliente que o correto seria a seguradora devolver-lhe os 1.500,00€ correspondentes aos 3 anos que a sua mulher tinha pago a mais.

Um pouco como se lhe tivesse saído um prémio

Quem não ficaria contente por saber que lhe iriam devolver 1.500,00€? O cliente ficou extremamente satisfeito. E assim, esta manhã, apareceu nos escritórios howden com uma caixa de bombons como agradecimento.

“Que alegria ainda encontrar gente que se empenha no que considera justo!”

Expressão do segurado. Entretanto, Bea não dizia nada… Apenas acenava com a cabeça. Não é que não tivesse palavras, era porque tinha na boca um bombom de café!

Estes bombons foram apenas sinal de agradecimento por um desempenho profissional correto.

Vicky Pont